A terceira entrevista da Série Especial do Dia Mundial do Combate à Tuberculose, a Professora Ethel Leonor Noia Maciel, Coordenador da Área de Epidemiologia, fala sobre os estudos, diagnósticos e cuidados com a Tuberculose, além do papel da Rede TB no combate à doença.

 

O Ministério da Saúde tem o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como uma de suas metas. Este plano, além das ações usuais de controle de TB (Pilar 1), inova ao inserir a Proteção Social (PIlar 2) e a Pesquisa e Inovação (Pilar 3). Quais são as maiores dificuldades para que esse Plano possa ser bem sucedido? O que se deve fazer para que isso não ocorra?

Uma das grandes apostas da nova estratégia em relação ao Pilar 2 é a cobertura universal da saúde. O Brasil nesse sentido seria um país modelo, já que o nosso Sistema Único de Saúde (SUS) tem como princípio norteador o acesso universal.

Em que pese os vários problemas do atual financiamento do SUS, o Programa Nacional de Controle da Tuberculose possui em toda sua rede acesso desde o diagnóstico ao tratamento gratuito, assim como um controle dos fármacos utilizados, já que eles não estão disponíveis para serem compradas na rede privada. Além disso, o Brasil possui hoje o maior programa de transferência de renda no mundo, o bolsa família. Apesar deste não ser um programa específico para TB, estudos da área de epidemiologia da Rede, apontam a associação entre ser beneficiário do programa bolsa família e ter menores taxas de abandono do tratamento.

Alguns outros estudos em andamento podem indicar no futuro quais programas que serão específicos para a proteção social, com ajuda financeira ou alimentícia durante o tratamento podemdo contribuir para a cura e, consequentemente, ter sucesso no tratamento. Aliado a isso, pesquisas com modelos matemáticos podem nos ajudar a escolher estratégias de intervenção que fortaleceriam o Pilar 3.

 

Leia mais...

Na segunda entrevista da Série Especial do Dia Mundial do Combate à Tuberculose, o Professor Antonio Ruffino Netto, Coordenador da área de Recursos Humanos, fala sobre a importância do envolvimento de todos os atores da sociedade, do papel da Rede TB e sobre o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose, do Ministério da Saúde.

 

O Ministério da Saúde tem o Plano Nacional de Eliminação da Tuberculose como uma de suas metas. Quais são as maiores dificuldades para que esse Plano possa ser bem sucedido? O que se deve fazer para que isso ocorra?

Entre os problemas está o econômico. É necessário o uso racional dos recursos financeiros. Ocorre a má aplicação de dinheiro, sem levar em conta custo-efetividade das ações, é desperdício frequente nos órgãos públicos.

Outro problema diz respeito ao aspecto cultural (educacional) de todos os envolvidos no PCT: conhecimento técnico, competência, responsabilidade, autenticidade, fidelidade, continuidade, regularidade. Isto deve abranger todos os gestores, desde o nível federal até o estadual e municipal. Devemos lembrar também do aspecto cultural/educacional da própria população alvo.

 

Leia mais...

Em apoio ao Dia Mundial do Combate à Tuberculose, a Rede de Pesquisa em Tuberculose fez uma série de entrevistas com Coordenadores de diversas áreas para falar sobre o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculosa, do Ministério da Saúde, o cenário atual e a atuação da própria Rede TB.

A primeira entrevistada da série é a Coordenadora da área de Ensaios Clínicos, Professora Anete Trajman.

O Ministério da Saúde tem o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como uma de suas metas. Este plano, além das ações usuais de controle de TB (Pilar 1), inova ao inserir a Proteção Social (PIlar 2) e a Pesquisa e Inovação (Pilar 3). Quais são as maiores dificuldades para que esse Plano possa ser bem sucedido? O que se deve fazer para que isso não ocorra?

As maiores dificuldades são a integração entre os pilares e o financiamento.

Leia mais...

Rede TB apóia o Dia Mundial de Combate à Tuberculose e se preocupa em auxiliar no desenvolvimento não só de novos medicamentos, novas vacinas, novos testes diagnósticos e novas estratégias de controle de TB, mas também na validação dessas inovações tecnológicas, antes de sua comercialização no país e/ou de sua implementação nos Programa de Controle de TB no País.

 

Estabelecemos, de maneira pioneira, em colaboração com Programa Nacional de TB, Instituições de Pesquisa e Indústria Nacional e Internacional uma plataforma para pesquisa e desenvolvimento tecnológico para a avaliação e incorporação de novas tecnologias.

Leia mais...

O Ministério da Saúde abre consulta pública para reunir contribuições de gestores públicos, coordenadores de programa, representantes da sociedade civil e demais interessados na elaboração do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose que tem como período de vigência 2016-2020.

A minuta do plano ficará disponível para sugestões até o dia 05 de março de 2017. As sugestões de aprimoramento do plano deverão ser por meio do endereço eletrônico: http://www.saude.gov.br/consultapublica

Leia mais...

Why do clinical trials of Xpert  MTB/RIF fail to show an effect on patient relevant outcomes?
T. H. Boyles
Int J Tuberc Lung Dis 2017; 21(3): 249-250
 
THE WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO) recommends that Xpert MTB/RIF (Cepheid, Sunnyvale, CA, USA) should be used instead of conventional microscopy, culture and drug susceptibility testing (DST) as the initial diagnostic test in adults with suspected multidrug-resistant tuberculosis (MDR-TB) or human immunodeficiency virus (HIV)-associated TB (strong recommendation, high quality evidence). This advice is based primarily on a systematic review and meta-analysis of diagnostic accuracy studies, which found a pooled sensitivity of 88% (95% credibility interval [CrI] 83–92) and pooled specificity of 98% (95% CrI 97–99) when Xpert replaces microscopy as the initial diagnostic test. This equates to a positive likelihood ratio (LR+) of 44 and a negative LR (LR- ) of 0.12.
 
There have now been eight trials evaluating the impact of Xpert on patient-relevant outcomes such as morbidity and mortality, and all have shown no benefit. This not only calls the WHO guidance into question, it also raises the question as to why a test with seemingly impressive diagnostic accuracy should fail in impact trials. A number of theories have been advanced, including deficiencies in trial design and trial conduct and the weaknesses of the health systems in which the trials were conducted. Application of the threshold approach to clinical decision making may also be helpful in solving this
conundrum.
Attachments:
Download this file (Boyles_IJTLD_2017.pdf)Boyles_IJTLD_2017.pdf[ ]85 kB

Tuberculosis course 2017 from molecular diagnosis, drug susceptibility testing and genome sequencing to treatment of MDR and XDR-TB. 

Lectures:

Global and molecular epidemiology; evolution; immune responses; HIV co-infection; pediatric tuberculosis; genetic susceptibility; antibiotic resistance, multidrug-resistance (MDR) and extensive drug resistance (XDR); rapid diagnosis and drug susceptibility tests; anti-TB treatments including MDR-TB and XDR-TB; non-tuberculosis mycobacteria; Whole Genome Sequencing.

 

www.pasteur.fr/en/tuberculosis 

Attachments:
Download this file (FlyerB affiche_tuberculosis_2017.pdf)FlyerB affiche_tuberculosis_2017.pdf[ ]993 kB

 

Rio, 10 de janeiro de 2017

 

A Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose (Rede TB) envolvida nas ações de assistência, ensino e pesquisa na área de TB desde 2001, por meio de seus sócios e parceiros: gestores, pesquisadores, profissionais de saúde, redes nacionais e internacionais de pesquisa, representantes do setor industrial nacional e comunitário, em resposta ao Plano Global de Eliminação da TB proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS), tem realizado atividades conjuntas com o Programa Nacional de Controle da Tuberculose – PNCT/DEVIT/SVS/MS, na elaboração da

a) Agenda Nacional de Pesquisa em TB (finalizada em 2015 e publicada em fevereiro de 2016 - Acesse aqui) e, juntamente com a Frente Parlamentar pela Luta contra a TB

  

b) do Plano Nacional de Pesquisa integrante ao Plano Nacional de Eliminação da TB

 

A Rede TB manifesta sua preocupação com o impacto negativo resultante da implantação da Resolução Tripartite, no. 8, exarada em 24 de novembro de 2016, que dispõe sobre o processo de pactuação interfederativa de indicadores para o período 2017-2021, relacionados às prioridades nacionais em saúde com os Municípios e os Estados. Na Resolução Tripartite no.8, a TB não consta como um dos indicadores. A retirada da TB como indicador de metas a serem pactuadas com municípios e Estados, proporcionará queda dos recursos financeiros e humanos voltados para as atividades de controle de TB, e por conseguinte ocorrerá uma piora expressiva dos indicadores epidemiológicos da TB.

Leia mais...

Geneva, 21 December  2016 - In an effort to accelerate progress towards ending TB, WHO’s Global TB Programme (GTB)  has established the first Global TB Research Task Force.


The Task Force, comprising of 19 TB programme, research financing, technical, civil society and academic experts, chaired by Christine Sizemore, NIH/NIAID, met in Geneva from 8-9 December 2016. The goal was to identify strategies for WHO to promote and facilitate TB research, and speed-up translation of science ‘from bench to bedside’ to improve TB care and control at international and national levels. Drawing on both global and national research needs, the Task Force also advised on actions to address global funding for TB research and development in congruence with current global and national efforts.

Leia mais...
Página 1 de 2

Sobre a Rede TB

A Rede Brasileira de Pesquisa em Tuberculose (REDE-TB) é uma Organização Não Governamental (ONG) de direito privado sem fins lucrativos, preocupada em auxiliar no desenvolvimento não só de novos medicamentos, novas vacinas, novos testes diagnósticos e novas estratégias de controle de TB, mas também na validação dessas inovações tecnológicas, antes de sua comercialização no país e/ou de sua implementação nos Programa de Controle de TB no País.


bt2

Contato

E-mail: redetb.rp@gmail.com

Tel: +55 (21)3938 - 2426
Tel/ Fax: +55 (21)3938 - 2431.

Endereço: Avenida Carlos Chagas Filho, 791, Cidade Universitária - Ilha do Fundão, Rio de Janeiro, RJ - Brasil. CEP: 21941-904

Assine a newsletter da Rede TB

Curta Rede TB no Facebook