top
logo

Enquete

Como vc conheceu a Rede-TB?
 

Campanha tratamento Tuberculose PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrador   
Ter, 06 de Outubro de 2015 22:16


Jogador Thiago Silva protagoniza nova campanha contra a tuberculose

Curado no passado, zagueiro Thiago Silva encabeça campanha contra tuberculose

Veja o vídeo: https://youtu.be/LCLfSQ_BDoI

O zagueiro do Paris Saint-Germain Thiago Silva é o protagonista da campanha do Ministério da Saúde para alertar a população sobre os sintomas da tuberculose e a importância do diagnóstico precoce. Durante a campanha, o jogador vai incentivar o diagnóstico antencipado e orientar a população a procurar um posto de saúde, caso apareçam indivíduos com os sintomas.

As peças serão veiculadas pelo Ministério da Saúde em rádios, TVs e redes sociais durante todo o mês de outubro.

O Ministério da Saúde lançou nesta quinta-feira (1º) campanha de conscientização sobre a importância do diagnóstico e realização do tratamento contra tuberculose. Com o mote “testar, tratar e vencer”, a campanha é protagonizada pelo jogador de futebol Thiago Silva. “Tuberculose existe, mas tem cura”, alerta o jogador no vídeo. O zagueiro foi diagnosticado com a doença em 2005, quando jogava em um time russo. Ele retornou ao Brasil, onde recebeu tratamento gratuito pelo Sistema Único de Saúde (SUS), foi curado e seguiu a carreira de jogador. Relembre a história do atleta

A falta de informação pode ser um obstáculo ao diagnóstico e ao tratamento. Por isso, as peças da campanha alertam que pessoas com tosse por mais de três semanas - principal sintoma da doença – devem procurar um serviço de saúde. Além disso, os pacientes não podem interromper o tratamento, que dura seis meses, para atingir a cura. O objetivo da campanha é levar mais informação às pessoas, reduzindo o preconceito sobre a doença. No ano passado, a campanha do Ministério da Saúde contou com a participação do cantor Thiaguinho, que também foi diagnosticado, seguiu tratamento sem interrupção e foi curado.

A campanha, que tem duração de um mês, será veiculada nas rádios, TVs, redes sociais, além de outdoor social e outros meios de divulgação. “O Thiago Silva mostra que é possível ficar livre da doença seguindo corretamente o tratamento. Ele se tratou pelo SUS e está aí, forte e saudável, jogando seu futebol”, explica o secretário de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, Antônio Nardi.

Thiago Silva - Camapanha TuberculoseApesar da dimensão da doença e do seu impacto para a saúde pública, parte da população tem pouca informação sobre a tuberculose. “A falta de informação, além de prejudicar o diagnóstico, produz preconceito e agrava a exclusão social. Muitas pessoas ignoram os sintomas ou ainda têm ideias antigas sobre a doença, não sabem que a tuberculose é uma doença curável e que o paciente deixa de transmitir após 15 dias de tratamento”, explicou o diretor do Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch.

TESTE RÁPIDO – Além da campanha de esclarecimento sobre a tuberculose, o Ministério da Saúde trabalha na melhoria do diagnóstico da doença. Em 2014, a coordenação do Programa Nacional de Controle da Tuberculose distribuiu 175 equipamentos de teste rápido a 94 municípios – onde se concentram 55% dos casos novos e retratamentos registrados no Brasil. Denominado “Gene Xpert”, o teste detecta a presença do bacilo causador da doença em duas horas e identifica se há resistência ao antibiótico rifampicina, usado no tratamento básico. O exame laboratorial tradicional pode levar de um a dois meses. Em um ano, foram realizados mais de 145 mil testes.

A estratégia adotada pelo Ministério da Saúde, de descentralização do tratamento para a atenção básica, resultou na diminuição do número de casos e mortes e de abandono do tratamento. Parceria com o Ministério do Desenvolvimento Social ampliou o acesso do serviço de saúde às populações vulneráveis à doença - populações indígenas, população privada de liberdade, moradores de rua, além das pessoas vivendo com o HIV.

REDUÇÃO - Em 2014, a taxa de incidência foi de 33,8 por 100 mil habitantes, contra 43,4/100 mil em 2004. No ano passado, foram registrados 68,4 mil casos novos de tuberculose e 4.336 óbitos, com uma taxa de mortalidade de 2,3 óbitos por 100 mil habitantes. Em 2012, o Brasil atingiu, antecipadamente, as metas para 2015 dos Objetivos do Milênio (ODM) de redução pela metade das taxas de incidência, prevalência e mortalidade. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, atualmente, existam no mundo nove milhões de casos da doença.

Em 2015, começa uma nova etapa do combate à tuberculose, superando a meta de controle da doença e partindo para a perspectiva de sua eliminação como problema relevante de saúde pública. O Ministério da Saúde assume compromisso de reduzir em 95% os óbitos e em 90% o coeficiente de incidência da doença até 2035.

SOBRE A DOENÇA - A tuberculose é causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outras partes do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro). Na maioria das pessoas infectadas, os sinais e sintomas mais frequentemente são tosse seca contínua, no início da doença, depois tosse com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue; cansaço excessivo; febre baixa geralmente à tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; emagrecimento acentuado; rouquidão; fraqueza e prostração.

A transmissão é direta, de pessoa a pessoa, por meio de pequenas gotas de saliva expelidas ao falar, espirrar ou tossir. Somente 5% a 10% dos infectados pelo bacilo de Koch adquirem a doença. O tratamento deve ser feito por um período mínimo de seis meses, sem interrupção, diariamente. No esquema básico, são utilizados quatro fármacos: rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol. Os pacientes que seguem o tratamento corretamente são curados.

Para prevenir as formas mais agressivas da doença é necessário imunizar as crianças, no primeiro ano de vida, ou no máximo até quatro anos, com a vacina BCG. O risco de transmissão é maior entre pessoas que vivem em ambientes fechados, mal ventilados e sem iluminação solar. A tuberculose não se transmite por objetos compartilhados.

Veja o vídeo: https://youtu.be/LCLfSQ_BDoI

Por Carlos Américo, da Agência Saúde
Atendimento à Imprensa
(61) 3315-2577 / 3580

 

https://fbcdn-sphotos-g-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xtp1/v/t1.0-9/11145913_710409635757368_7025195024154822929_n.png?oh=73b0880c25de7f746ed7e75ff2107c7d&oe=56AAC6A3&__gda__=1453020053_5451bf932ce549c0e151c35803c9f616

 

LAST_UPDATED2
 
Reunião da REDE BRASILEIRA DE PESQUISA EM TUBERCULOSE PDF Imprimir E-mail
Escrito por Administrator   
Qui, 07 de Maio de 2015 00:26

Palestras apresentadas na Reunião da REDE TB

dentro do ICOHRTA SYMPOSIUM,

28 a 30 de abril de 2015,

no Hotel Flórida, Rio de Janeiro-RJ.

LAST_UPDATED2
 

bottom

Validation: XHTML and CSS